Antes de viajar, confira 10 dicas para o check-list de manutenção

NSA Pneutec dá orientações de como deixar os pneus em ordem antes de cair na estrada

Fim de ano e estrada são coisas que vão bem juntas. Aproveitar o recesso para visitar a família, os amigos ou conhecer uma nova cidade é regra de ouro para muitos. Mas antes de pensar em por o pé na estrada, seja a lazer ou até mesmo a trabalho, o motorista deve analisar se seu veículo tem condições de fazer a viagem sem por em risco sua vida ou a dos demais. E essa manutenção também passa pelos pneus.

Embora em alguns casos o motorista não esteja plenamente consciente destas funções, um pneu devidamente ajustado garante dirigibilidade ao veículo, oferece respostas eficientes nas freadas e aceleradas e contribui com a suspensão, propiciando conforto aos passageiros. A suspensão e os freios podem estar funcionando bem, mas se os pneus não estiverem em bom estado, toda a segurança do veículo pode ser prejudicada.

Portanto, antes de cair na estrada para curtir as férias, o motorista deve fazer o check-list da manutenção do veículo, seja ele de passeio ou carga. O diretor comercial da NSA Pneutec, Giulio Cesar Claro, monta abaixo uma lista com 10 checagens essenciais para aqueles que estão de malas prontas:

Exame periódico

A cada 5 mil quilômetros, desde que nenhum evento fora do normal tenha acontecido, a inspeção dos pneus deve ser feita. Em situações de potencial risco aos pneus, recomenda-se inspecioná-lo imediatamente ao evento.

Pneus de carga

No caso de pneus com câmara e, que a cada vez que se troca um pneus velho por um novo, deve-se também trocar a câmara e o protetor. Mesmo não tendo grandes reparos, a câmara usada está fadigada, perdendo sua elasticidade e dimensões originais.

Pneus de passeio

É altamente recomendada a troca das válvulas a cada troca de pneus. Submetidas a fortes pressões, as válvulas se deterioram por envelhecimento e pela ação da força centrífuga.

Pneus “carecas” não viajam

É fundamental ter atenção às condições dos pneus. Quando atingem uma profundidade de sulco inferior (risquinhos do pneu) a 1,6mm podem ser considerados praticamente “carecas” e têm sua segurança comprometida. Nestas condições as consequências são um maior risco de estouro do pneu, instabilidade do veículo em pistas molhadas, maior propensão à derrapagem e risco de multa pela autoridade de trânsito. Para garantir um trajeto seguro fique de olho na instabilidade do veículo.

Calibragem

Cada veículo tem a sua indicação adequada, por isso, não calibre o pneu sem ter as medições corretas. Quando incorreta, a pressão prejudica a dirigibilidade, causa desgaste irregular do pneu, aumenta o risco de cortes e impactos, além de diminuir a vida útil e afetar o consumo de combustível.

Pressão nos pneus

A pressão nos pneus possui relação direta com o volume de carga transportada, não existindo uma única de calibragem. Lembre-se que os fabricantes de pneus exibem a pressão maxima suportada na lateral (flanco) do pneu.

A calibragem correta de acordo com a carga total incidente no pneu e a posição em que é utilizado no veículo (montagem simples ou montagem em duplos), permite obter o melhor desempenho do pneu, uma maior quilometragem, aproveitamento da carcaça para reformas e um desgaste uniforme.

É fundamental saber se o pneu em uso está adequado à aplicação correta ao segmento, pois o peso do carro influencia no desempenho dos pneus. Pneus rodoviários são diferentes de um construído para uso fora de estrada.

Sobrecarga nos pneus

Um pneu com sobrecarga de 30% leva a uma perda média de 40% na sua vida útil. A sobrecarga gera aumento no consumo de combustível, podendo levar ainda a quebras na carcaça com perda de recapabilidade, prejudicando a suspensão e a segurança do motorista. Por isso, é recomendável que se observe cuidadosamente os limites de carga dos pneus.

Atenção ao estepe

O estepe deve ser o melhor pneu do veículo, pois será ele que substituirá o danificado. É comum esquecer-se de calibrá-lo e, geralmente, o conjunto pneu/roda é um dos piores itens do veículo, pois se retira este para substituir as rodas amassadas e pneus avariados que estavam em uso.

Alinhamento e balanceamento

Frequentemente as pessoas confundem alinhamento e balanceamento, mas eles são manutenções completamente diferentes. O alinhamento adequado permite um desgaste regular dos pneus e ainda melhora a eficiência de rolamento, garantindo economia de combustível. Além de obter melhor dirigibilidade em retas e curvas, evita que o veículo desvie ou puxe para os lados.

Se o volante vibra ou o veículo apresenta barulhos em determinadas velocidades é hora de checar o balanceamento. Este cuidado permite que a roda gire sem provocar vibrações.

São serviços independentes e normalmente um não afeta o outro, ou seja, é possível fazer balanceamento mesmo que o veículo não apresente condições de alinhamento por suspensão danificada. Recomenda-se estes serviços a cada 10.000 km ,juntamente com o rodízio de pneus.

Prazo de garantia

Sim, pneus também têm vida útil e prazo de garantia. Geralmente são cinco anos a partir da data de fabricação encontrada na lateral do pneu, onde aparece “DOT xxxx xxxx (SSAA)”, sendo o SS o número da semana do ano em que foi fabricado e AA o ano. Passando o período indicado, é hora de trocar os pneus.

Já para os pneus reformados podem ser recapados até 7 anos, segundo o INMETRO.

Suspensão

Todo defeito que o veículo apresentar na suspensão será refletido diretamente nos pneus. Isso afetará diretamente a durabilidade dos pneus, a estabilidade do veículo, a segurança e o conforto do motorista.

Rodízio dos pneus

A cada 10 mil quilômetros ou após a constatação da necessidade, o rodízio dos pneus deve ser feito com critério, pois há um procedimento correto no sentido da inversão. A manutenção ajuda na durabilidade dos pneus e no desgaste uniforme.

Neste período de férias e viagens fique atento! O descuido com o veículo, além de aumentar o risco de acidentes pode trazer prejuízos financeiros ao motorista. Segundo o Código de Trânsito brasileiro, o motorista que conduzir o veículo sem os equipamentos obrigatórios, como estabelecido pelo Contran, será punido com uma multa, além de perder cinco pontos na carteira de habilitação.

Além disso, fazer ou deixar que se faça reparos no veículo em via pública é considerada infração grave, com multa e implica a perda de pontos na carteira de habilitação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>